Educação

Não é justo

Acredito que meu trabalho em educar meus filhos não é só dar a eles as ferramentas necessárias para sejam felizes e tenham uma vida bem sucedida.  Eles têm que ter consciência do quanto são privilegiados e de que, exatamente por causa disso, devem ser, quando adultos, agentes transformadores.

Parte da educação é despertar nas crianças a responsabilidade social e global e a experiência que meu filho de 10 anos está vivendo na escola internacional aqui em Tóquio é sensacional.
O método de ensino se concentra em unidades de investigação. A cada dois meses, todas as disciplinas são associadas a um tema. Já passaram por saúde, metodologia científica, comunicação artística e agora o tema é “Não é justo”.
A ideia central: As pessoas do mundo têm diferentes direitos, responsabilidades e oportunidades.
Questões conceito: quais são os direitos das crianças e por que eles existem?; quais são as nossas responsabilidades, direitos e oportunidades?; quais são as responsabilidades, direitos e oportunidades das crianças que são obrigadas a trabalhar?
Enquanto participam de diversas simulações de trabalho infantil, as crianças são estimuladas a refletir e comparar a sua própria vida com a dos outros meninos e meninas que não são tão privilegiados.
Antes de começarem a entrar em contato com o sofrimento e as inacreditáveis injustiças que tantas crianças no mundo vivem, os professores fizeram um experimento na própria sala de aula. Alguns alunos foram aleatoriamente escolhidos para jogar em novíssimos ipads enquanto os outros foram obrigados a fazer uma provinha bem chata. “It’s not fair!!”, eles falaram para o professor. Depois do recreio, tudo foi explicado e eles sentiram um pouquinho do que é ser sofrer uma injustiça.
books
Eles estão lendo o livro “Parvana”, da escritora canadense e ativista Deborah Ellis, que conta a história de uma menina afegã que precisa trabalhar em um mercado em Cabul para ajudar a família e para isso tem que se disfarçar de menino.
Além disso, assistiram esta semana a esses dois vídeos:

4 replies »

  1. Muito legal essa experiência, Taiga. Sempre procuro ensinar pros meninos que somos privilegiados e devemos fazer nossa parte em busca de um mundo mais justo. Vou mostrar esses vìdeos pro Pedro! Bjss

    Gostar

  2. Muito bom! E o mais importante: Qual é a nossa (cidadãos privilegiados, consumidores, conscientes) fatia de responsabilidade nesse esquema todo? Onde, como e por quem são produzidos nossos amados tênis, roupas e gadgets, que principalmente nessa idade do Felipe, são tão associados à construção da identidade e ao pertencimento em um grupo? Como podemos ajudar a reverter ou, ao menos, não compactuar com essa situação?
    Beijos em todos!

    Gostar

  3. Realmente vivemos num mundo injusto, e principalmente as crianças é que sofrem. Você está fazendo bem , escrevendo para abrir os olhos daqueles que poderiam ensinar a pescar o peixe para comer , muitos deveriam fazê lo.
    Parabéns e vamos levantar a bandeira para conscientizar as pessoas de dividir o pão, para termos um mundo melhor para todos , independente de religião, raça e cor.

    Gostar

Pode comentar!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s