2 semanas no Rio

Estava no táxi rumo ao Galeão, ouvindo na rádio “que toca saudade” uma música bem melosa do Roupa Nova, com um nó na garganta por me despedir mais uma vez da minha cidade tão amada, olhando para o Cristo já se distanciando e pensando na primeira frase que escreveria em meu post… quando o carro de repente freou bruscamente e bateu. No meio do viaduto da Linha Vermelha, momentos de pavor encerraram a minha viagem, infelizmente. Ficou tudo bem, acabei chegando ao aeroporto e estou de volta à tranquilidade de Tóquio.

A batida só fez confirmar o que de longe mais me incomodou durante a minha estada no Rio, depois de 1 ano e 4 meses fora. O trânsito caótico. Circulei bastante de carona com amigos e parentes e de táxi, fui a Petrópolis, à Barra, Tijuca, Rio Comprido, Zona Sul. Senti os motoristas estressados, várias vezes tive a impressão de que escapei de um acidente por um triz. Uma situação diametralmente oposta à que vivo em Tóquio, circulando nos metrôs, trens e ônibus em paz.

Mas é claro que mesmo assim foi maravilhoso reencontrar a minha cidade linda e experimentar de novo o calor do fim de inverno carioca (chegou a 37 graus!) e das pessoas. Virei amiga íntima de vários desconhecidos, bati papo com vendedoras, taxistas, estava sentindo falta dessa interação. O carioca tem muito amor e responde com um sorriso sincero a qualquer afago ou gentileza. Senti uma certa carência nas pessoas, um cansaço da vida dura em que se trabalha muito sem receber quase nada em troca.

Refleti demais sobre o meu país. Uma natureza estonteante e generosa, imensas extensões de terra fértil, minério, fontes de energia limpa abundantes mas tão mal aproveitadas. Sem terremotos ou furacões. O Japão é formado por ilhas vulcânicas sacudidas por tremores de terra, tem traumas profundos de um passado de atrocidades cometidas com os países vizinhos, já penou com muitas guerras, foi atingido por duas bombas atômicas. Apesar de tudo isso o país funciona.

Fico imaginando o aconteceria com o Brasil se tivéssemos mais honestidade e competência no poder público.